Vírus, programas piratas e formatação do sistema operacional

Quando tive meu primeiro computador em 2008 o sistema que veio instalado era o Windows XP. Na época não sabia como instalar programas e tão pouco o que era uma formatação. No começo o sistema era bem estável, mas com o passar do tempo ele foi ficando esquisito, dando cliques duplos contra minha vontade, a navegação na internet ficava lenta, etc. Mostrei a um amigo e ele disse soletrando a palavra VÍRUS. Foi a primeira vez que vi aquilo. Ele me deu uns conceitos básicos sobre o assunto. Aí mexendo mais no computador descobri um programa antivírus que veio instalado, o AVG. Nem sabia mexer nele direito, mas lembro que eu consegui melhorar o desempenho do sistema.

Alguns meses depois comecei a trabalhar num laboratório de informática e um dos colegas de trabalho me ensinou a formatar computadores. Um novo mundo se abriu para mim a partir dali. Achava muito legal em não perder o tempo para apertar alguma tecla durante o boot para dar início ao processo. Aprendi o que era a BIOS e como fuçar nela. Nesse momento eu já tinha alguma experiência em baixar e instalar programas e com esse aprendizado foi muito bom.

Depois de adquirida essa experiência eu decidi formatar meu computador, pois estava muito bugado. Mas ainda não tinha o conhecimento sobre as licenças do Windows. Eu nem sequer pensei em verificar se o Windows que veio no meu computador era original. Lembro que veio os CDs de drivers na caixa, mas nenhum do Windows em si, nem mesmo um código de ativação. Mas meu colega de trabalho havia me dado um ativador. Deixava o sistema como se fosse ‘original’, sem aquelas mensagens irritantes pedindo ativação. Obviamente talvez até instalava algum vírus no computador, mas nada que deixasse o sistema lento ou algo do tipo. Aprendi a fazer o particionamento do disco rígido separando parte para o sistema e parte para a pasta de arquivos pessoais. Então eu fazia uma maratona baixando e instalando os programas que eu mais usava. Nessa época eu acessava muito o site brasileiro Baixaki. Antigamente ele era muito bom, mas atualmente não recomendo ele, pois hoje em dia os links de download não são diretos para o programa em si, mas para um ‘baixador’ dele do próprio Baixaki. Obviamente instala adware no computador.

Naquela época eu tinha o costume de baixar, instalar e testar todo tipo de programa que eu tinha interesse. Se o programa não fosse gratuito procurava na web até encontrar uma versão pirateada dele para instalar. Não me importava muito com vírus e afins, desde que não deixasse o computador lento ou travando por mim tudo bem. Aí quando eu sentia que o sistema estava ruim pegava o CD de formatação que tinha e reinstalava tudo de novo do zero. Em alguns momentos formatava o computador duas e até três vezes num único mês.

Microsoft Security Essentials
Microsoft Security Essentials

Para manter uma familiaridade com o que já tinha em mãos baixei o AVG e utilizei como proteção. Mas na época ele era muito estranho e pouco prático. Testei antivírus de diversas empresas como Avast, Avira e Baidu, mas nenhum deles era bom e leve para minha máquina. Até que a Microsoft havia lançado um antivírus próprio dela, o Microsoft Security Essentials. Fiquei surpreso com o nível de proteção e praticidade do programa, e além de tudo bastante leve. Acabei tomando ele como proteção e descartei completamente os demais.

Eu estava tão acostumado com o Windows XP que nem dei muita bola para o lançamento do tão aguardado Windows 7. Tive até um pouco de preconceito com ele por causa das diferenças visuais em relação ao XP. Lembro que o fator decisivo para minha migração para o 7 foi a irritante tela de confirmação de desligamento que o XP nos mostrava quando havia algum processo ou programa que não fechava durante o encerramento. Às vezes quando chegava a pausa para o almoço no trabalho eu pedia para o computador desligar, virava as costas e trancava a sala. Ao retornar na parte da tarde me deparava com o computador ainda ligado e na tela pedindo permissão para encerrar algum programa ainda aberto. Isso era muito chato em alguns momentos quando estava com pressa de ir embora. Um colega de faculdade havia me dado uma cópia da ISO do Windows 7 para eu testar e resolvi fazer a instalação dele e abandonei o XP. Inclusive ainda tenho a ISO até hoje.

Durante essa fase de uso do Windows 7 e com um maior amadurecimento na experiência em relação à tecnologia percebi que não fazia sentido ficar formatando sempre o sistema. Aos poucos fui parando de testar programas novos pois já tinha estabelecido os preferidos para cada área. E como o 7 era bem mais seguro que o XP e ainda utilizava junto com ele o Microsoft Security Essentials fiquei mais tranquilo em relação aos vírus. Claro, o sistema ainda era pirata 😅.

Como trabalhava num laboratório de informática diversas pessoas me relatavam que seus computadores estavam com problemas de lentidão, vírus e etc. Acabei passando por uma fase de ‘ajuda humanitária’ em relação à tecnologia da informação. Obtive uma excelente experiência com manutenção do Windows. Conseguia recuperar os sistemas mais corrompidos e bugados e os deixava como novos, super rápidos e leves. Então eu parei de ficar formatando meu computador atoa, e sempre que tinha algum problema no sistema eu tentava resolver utilizando o CCleaner, desinstalava programas inúteis que não usava com o Revo Uninstaller, rodava o Windows Update e o antivírus.

Veio então o lançamento do Windows 10 e fiz a mesma tática pessoal quando foi lançado o Windows 7, o ignorei. Já estava tão acostumado com o 7 que não sentia necessidade de migrar para uma nova versão e ter que ‘reaprender’ a usar um sistema. Mas a necessidade de migração veio quando uma pessoa pediu ajuda com o notebook dela, e o sistema era o 10. Fiquei um pouco perdido pois nunca havia sequer manuseado ele. Mesmo assim concluí a missão de ajuda e após isso abandonei o 7, pois após alguns anos de uso percebi que já sabia tudo sobre ele.

Fazia poucos meses que estava utilizando de forma pirata esse Windows 10 e veio uma luz em minha mente. Eu nunca havia utilizado em minhas máquinas um sistema puro e original. Como já estava bem estabelecido profissionalmente senti a obrigação de adquirir um pra mim. Comprei a licença do Windows 10 Home, fiz a formatação limpa do zero com ativação online seguindo os passos do próprio instalador baixado direto do site da Microsoft, ao invés de sites de downloads piratas nos confins estranhos da internet. A sensação de segurança é muito boa, pois eu tinha a certeza que não havia nenhum vírus, malware, trojan e similares rodando ocultamente no meu computador. Parti para a instalação dos meus programas favoritos e dentre eles havia uns dois que necessitavam de ativador pirata. Aí veio outra luz. Que de fato não fazia sentido ter um sistema original e limpo e de repente fazer uso de ativadores para outros programas nele, pois a pureza de um sistema limpo sem qualquer tipo de vírus iria para o ralo.

Decidi então abandonar de vez a pirataria de softwares e utilizar apenas programas gratuitos em minhas máquinas. Alguns dos programas eram até baratos e não fazia sentido deixar de pagar alguns reais para colocar vírus no computador. Os programas que eram caros demais para meu bolso eu os substituí por alternativas gratuitas open source. Um canal no YouTube que me ajudou a ter essa visão foi o Baboo. Quando as pessoas que trabalham na área da tecnologia da informação usam termos pejorativos como ‘Ruindows’ para dizer que o sistema não presta, significa de fato que eles só utilizam versões piratas dele, cheio de vírus por causa da natureza de ativadores piratas. Pois um sistema original e limpo é rápido e estável mesmo.

Outra coisa que achei interessante em não ficar formatando o computador de tempo em tempo foi em relação aos jogos de video game. Alguns jogos possuem save game local, e mesmo quando o desinstalamos da máquina os saves ainda podem permanecer guardados nela. E é muito legal depois de algum tempo voltar a jogar aquele jogo e continuar exatamente de onde paramos. Um caso que ocorreu comigo foi com o jogo The Long Dark. Quando abri o jogo vi na tela que fazia quase um ano desde a última vez que o havia jogado. E na minha mente parecia que tinha sido a apenas algumas semanas. Tive uma sensação agradável de conforto mental, como se estivesse retornando a um antigo abrigo ou lar. Parecia ter saído de casa e ficado meses fora e tudo estava no lugar quando voltei.

Enfim, a formatação do sistema apesar de ser algo simples para alguém experiente pode ocorrer de esquecermos de fazer backup de algo importante antes. Já aconteceu comigo por exemplo de perder a listagem de sites favoritos no navegador.

A data da instalação do WIndows 10 que uso atualmente no meu computador principal

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *